Bibliografia e pesquisa

Quando finalizamos um trabalho, sempre olhamos para o passado e tentamos enxergar onde o mesmo se iniciou, no entanto, dificilmente vamos encontrar uma resposta, pois é sempre incerto o nosso ponto de partida.

Neste presente site nem se pode dizer trabalho finalizado, pois, pela própria dinâmica da internet, tudo aquilo que se apresenta pode ser enriquecido com novas e complementares informações.

No sentido objetivo podemos afirmar que este trabalho se iniciou no ano de 2007, na vila histórica de Paranapiacaba, situada na grande São Paulo, junto a Mata Atlântica da Serra do Mar. Foi ali, diante do que restou do antigo sistema funicular da então São Paulo Railway – SPR, que vieram lembranças de uma infância que se encantou com a engenhosidade da tecnologia inglesa.

Nascia, dessa forma, o estudo que durante oito anos foi realizado através, não só de dezenas de livros, mas também em bibliotecas, museus, arquivos públicos e jornalísticos, bem como a nossa internet.

Em relação às bibliotecas temos:

–  Mario de Andrade – São Paulo;

– Museu Paulista da Universidade de São Paulo (Museu do Ipiranga);

– Instituto Histórico e Geográfico de Santos;

– Arquivo Público de São Paulo;

Em relação aos museus temos:

– Companhia Paulista de Estradas de Ferro em Jundiaí/SP;

– O Trem Bélico em Santos/SP;

– Associação Brasileira de Preservação Ferroviária no bairro da Mooca em São Paulo;

–  Imigrante em São Paulo;

– Sistema Funicular em Paranapiacaba/SP, administrado pela ABPF;

Em relação aos arquivos públicos temos:

– Arquivo Público do Estado de São Paulo, onde as pesquisas haverão de continuar, devido ao grande acervo existente;

– Hemeroteca da cidade de Santos, onde foram feitas as mais valiosas pesquisas até o momento, e que certamente haverão de continuar;

Em relação aos arquivos particulares temos:

– Jornal A Folha de São Paulo, onde foi realizada a pesquisa a respeito do incêndio da Estação da Luz no ano de 1946;

– Jornal A Tribuna, de Santos;

 

Quanto aos livros e revistas lidos e estudados, alguns merecem destaque, por terem fornecido maiores e mais detalhadas informações a respeito dos temas pesquisados.

Vejamos:

Império – como os britânicos fizeram o mundo moderno, de Nial Ferguson;

 

Uma vez que a ferrovia São Paulo Railway foi construída por engenheiros britânicos durante o que se denominou “século inglês”, foi de primordial importância compreender como os ingleses estenderam sua influência pelos quatro cantos do mundo, usufruindo das vantagens advindas de sua revolução industrial.

As Barbas do Imperador, de Lilia Moritz Schwarcz;

 

Fantástica visão do período monárquico, no qual os ingleses se fizeram presentes em nosso território no transcorrer do século XIX, justamente quando foram construídas nossas primeiras ferrovias. Além dos aspectos políticos, são apresentados fatos da vida da família real, bem como da natureza pessoal de nosso principal monarca.

História de São Paulo Colonial, de Maria Beatriz Nizza da Silva e outros;

 

Uma nova visão de nossa história. Dentre tantos fatos novos e interessantes a respeito da província de São Paulo temos, pela primeira vez, a colocação correta da data de fundação da vila de São Paulo de Piratininga. Ao contrário da tradição, a vila foi fundada em 1560 por Mem de Sá, então Governador-Geral do Brasil.

A Capital da Solidão, de Roberto Pompeu de Toledo;

 

Fantástica observação do que era a capital paulista antes do advento da cultura cafeeira, bem como da construção da São Paulo Railway. É difícil, nos dias de hoje, imaginarmos o quão primitiva era esta cidade atual, onde batem os corações dos quatro cantos do mundo.

História do Café, de Ana Luiza Martins;

 

Um relato dinâmico e atual da riqueza que construiu São  Paulo e o Brasil modernos;  riqueza essa que motivou a construção da primeira ferrovia paulista, a SPR. Encontramos nestas páginas o que foi o desenvolvimento desta cultura, tanto em nossas terra como nos demais países.

– A África e os Africanos na formação do mundo atlântico, de John Thornton;

 

Relato histórico e  pungente  trazendo  a público o  grande drama por que passaram os negros na mais odiosa página de  nossa história – a escravidão. Drama esse vivido de forma profunda no continente americano. Não é mostrado, nestas páginas, o tanto que sofreram os negros no continente europeu, no entanto, em solo brasileiro, é fato para ficar vivo em nossas memórias,  a fim de que o respeito pelo próximo jamais deixe de existir.

 

Outros livros que merecem destaque:

 

– A Província de São Paulo, de Joaquim Floriano de Godoy;

– História de São Paulo, de Tito Lívio Ferreira;

– Curso de História de São Paulo – Secretaria de Educação da Prefeitura Municipal de São Paulo;

– Câmara Municipal de São Paulo – 4 séculos de história, Délio Freire dos Santos e

  José Eduardo Ramos Rodrigues

– História da Viação Pública de São Paulo, de Adolpho Augusto Pinto;

– San Paulo Railway – Café, Ferro e Argila, de Fábio Cyrino;

– O Cultivo do Café nas Bocas do Sertão Paulista, de Rosane Carvalho Messias;

– O Açúcar no Vale do Café, de José Evando Vieira de Melo;

– Navegando o Mogi-Guaçu, de Hilário Domingues Neto;

– 1808, de Laurentino Gomes;

– 1822, de Laurentino Gomes;

– 1889, de Laurentino Gomes;

– 1808 – 1834 – As Maluquices do imperador, de Paulo Setubal;

– Brasil 5 Séculos, de Hernâni Donato;

– O Reino Que Não Era Deste Mundo, de Marcos Costa;

– O Brasil Imperial – volume I, de Keila Grinberg e outro;

–  O Brasil no Tempo de Dom Pedro II, de Frédéric Mauro;

– Capitães do Brasil, de Eduardo Bueno;

– O Brasil de Marc Ferrez – Instituto Moreira Salles;

– Boa Ventura – A Corrida do Ouro no Brasil, de Lucas Figueiredo;

– A Escravidão no Brasil, de Jaime Pinsky;

– Em Costas Negras, de Manolo Florentino;

– A Força da Escravidão, de Sidney Chalhoub;

– Os Africanos no Brasil, de Nina Rodrigues. 

– Índios – Uma História Contada Pelos Verdadeiros Donos do Brasil, de Cacique Tukumbó Dyeguaká Robinson Miguel;

– As Ferrovias no Brasil nos Cartões Postais e Álbuns de Lembranças, de João Emilio  Gerodetti e outro;

– Afonso Schmidt – Coleção Grandes Nomes;

– O Enigma de João Ramalho, de Afonso Schmidt;

– Santos – O Centro Histórico, o Porto e a Cidade – Editora Novo Horizonte;

– Cananeia – O Primeiro Povoado do Brasil, de Ídolo de Carvalho;

 

 

 

 

Deixe uma resposta